segunda-feira, 11 de março de 2013

MUSEU PENITENCIÁRIO DE USHUAIA, ARGENTINA

clique na imagem para zoom
Como a Terra do Fogo sempre foi um ponto estratégico para a Argentina, seu governo visando colonizar a região sul transfere o presídio militar da Ilha dos Estados para Ushuaia. Em 1896 é instalada a “Penitenciária dos Reincidentes”, o primeiro grupo de prisioneiros, formado por nove mulheres e 14 homens, inicia em 1902 a construção do prédio do “Presídio Nacional”, obra que durariam 18 anos.

Em 1920 o Estabelecimento Penal contava com cinco pavilhões de 76 celas cada um. As 380 celas eram individuais, contudo a unidade já chegou a alojar mais de 600 presidiários.

Além de se ocuparem internamente – com oficinas de carpintaria, ferragens, mecânica e de sapatos – os prisioneiros labutavam na construção civil de Ushuaia.

Entre o “Pavilhão 1 e o Pavilhão 2 foi construída a cozinha, entre os pavilhões 1 e 5 a Padaria”. Em frente da baía se levantou a administração, as oficinas se localizaram em construções separadas. Em 1943 inaugurou-se um moderno hospital, que logo foi o Hospital da Base Naval e por muito tempo o único da região.

O filme “El Niño de Barro”, de 2007 trata da vida de um preso que cumpre pena em Ushuaia.

O Presídio Nacional de Ushuaia funcionou até 1947, quando o presidente Juan Domingo Perón determinou seu fechamento, alegando razões humanitárias. Até 1949 todos os presos já haviam sido transferidos.

 (Argentina na Cidade de Ushaia)